Em março de 1944, na antiga Capital da República, Rio de Janeiro, a Polícia do Distrito Federal foi transformada em DEPARTAMENTO FEDERAL DE SEGURANÇA PÚBLICA – DFSP. Apesar de seu nome trazer a expressão Federal, o DFSP, como ficou conhecido, somente atuava na área do Distrito Federal, no que dizia respeito à segurança pública, agindo em nível nacional apenas na parte de polícia marítima, área e de fronteira.
Já na metade do ano de 1946, as atribuições do DFSP foram estendidas para todo o território nacional em alguns casos, como o comércio clandestino de entorpecentes e crimes contra a fé pública, quando de interesse da Fazenda Nacional. Todavia, com a nova Constituição Federal, promulgada a 18 de setembro daquele ano, os Estados passaram a ter poderes para atender suas necessidades de governo e administração, sendo considerada uma espécie de limitação dessa autonomia a existência de um orgão de segurança com atuação nacional.
Com a mudança da Capital Federal, em 1960, o DFSP transferiu-se para Brasília, ficando com o então Estado de Guanabara os seus serviços de segurança pública, bem como o grande parte de seu efetivo. Devido à carência de pessoal, o DFSP teve que ser reestruturado, buscando-se como modelo as polícias da Inglaterra, Estados Unidos e Canadá, passando a ter, efetivamente, atribuições em todo o território Brasileiro a partir de 16 de Novembro de 1964, dia da edição da Lei nº 4.483 e até hoje comorada como sua data maior. Ainda em 1967, o DFSP trocou de nome surgindo o DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL – DPF por meio do art. 210 do Decreto-Lei nº200, de 25 de fevereiro de 1967.
Com área de atuação que abrange todo o território nacional, o Departamento de Polícia Federal dispõe de uma estrutura moderna e funcional que permite planejamento, coordenação e controle centralizados e execução descentralizada.
Sua estrutura atual permite um excelente desempenho, além de favorecer integração com os diversos orgãos da administração federal.
A Direção Geral conta com orgãos técnicos e de apoio, em Brasília, incumbidos das tarefas de planejamento, coordenação e controle. Para as atividades de execução, o DPF dispõe de 27 Superintendências Regionais, 54 Delegacias de Polícia Federal, 12 Postos avançados, 2 Bases fluviais e 2 Bases terrestre. (Fonte: DPF)